História

A actual Escola Secundária Artística de Soares dos Reis foi criada oficialmente em Janeiro de 1884, sendo designada nessa altura como Escola de Desenho Industrial de Faria de Guimarães do Bonfim. A sua actividade iniciou-se um ano mais tarde em instalações precárias de um prédio de habitação no Campo 24 de Agosto. Em 1887, surge a intenção de construir um edifício destinado à Escola que, entretanto, muda o nome para Escola Industrial Faria de Guimarães. Mas o edifício construído será entregue ao Asilo das Raparigas Abandonadas, mantendo-se a escola no antigo prédio.

Em 1917, a escola recebe ordem de despejo e como recurso para continuar as suas actividades, ocupa as antigas instalações do Liceu Alexandre Herculano, na Rua de Santo Ildefonso, onde os alunos se amontoavam nas piores condições e se aproveitava o espaço desde as águas furtadas até às caves.

Após quatro décadas de esforços, só em 1927 é autorizada a compra de uma velha fábrica de chapéus, na Rua Firmeza, 49, onde será instalada a Escola depois de algumas obras de adaptação às novas funções. Quase trinta anos mais tarde, em 1955, inaugura-se a ampliação das instalações já adequadas ao ensino e, posteriormente, expropriam-se terrenos contíguos para alargar a Escola ao longo da Rua D. João IV. O edifício actual tem a configuração que esta época definiu.

Quanto a programas e cursos ministrados, a escola acompanha e reflecte as transformações sociais e políticas que caracterizam a sociedade portuguesa do século passado.

Nos primeiros quarenta anos o ensino dirige-se à formação da classe trabalhadora, primeiro apenas a operários e mais tarde a filhos de trabalhadores sem actividade profissional.

Faculta Cursos de Desenho Elementar e Industrial: Pintor, Decorador, Tecelão, Formador e Estucador, e ainda Cursos Complementares de Cinzelagem, Marceneiro, Gravador em Aço, Ourives, Entalhador, Pintor Decorador e Tecelão-Debuxador destinados exclusivamente ao sexo masculino. Para a população feminina foram criados os cursos de Lavores Femininos, Costureira de Roupa Branca, Bordadora-Rendeira, Modista de Chapéus e Modista de Vestidos. Um ano mais tarde é Criado o Curso de Habilitação à Escola de Belas Artes.

A partir da publicação do Estatuto do Ensino Técnico Profissional, em 1948, a Escola agora denominada Escola de Artes Decorativas de Soares dos Reis, passa a ministrar cursos especializados de índole artística - Pintura Decorativa, Escultura Decorativa, Cerâmica Decorativa, Mobiliário Artístico, Cinzelador, Gravador de Cobre, Bronze e Aço, e começa a desenvolver-se a área de Artes Gráficas com o curso de Desenhador Gravador Litógrafo.

Com a reforma do ensino secundário em 1972/73, introduzem-se os Cursos Gerais e Complementares de Artes Visuais, incluindo Artes dos Tecidos, Equipamento e Decoração, Artes do Fogo, Artes Gráficas e Imagem.

Após o 25 de Abril suprimem-se os Cursos Gerais que são substituídos pelo Curso Unificado de 7º, 8º e 9º anos. A escola passa a designar-se Escola Secundária de Soares dos Reis, à semelhança de todas as outras, em consequência do desaparecimento da distinção entre ensino liceal e técnico.

A publicação da Lei de Bases do Sistema Educativo, em Outubro de 1986, abre a possibilidade de criação de estabelecimentos especializados, o que permite iniciar um processo que conduzirá à aprovação do Estatuto de Escola Especializada de Ensino Artístico e à elaboração de programas, projecto pedagógico, equipamentos e organização de espaços que visam a transformação da frequência para Cursos Complementares de nível secundário.

Como Escola Especializada de Ensino Artístico, a Soares dos Reis está vocacionada para o ensino e a prática das artes visuais e oferece actualmente quatro cursos artísticos especializados - Curso de Comunicação Audiovisual, Curso de Design de Comunicação, Curso de Design de Produto e Curso de Produção Artística. Estes quatro cursos, exclusivamente dirigidos para o nível de estudos secundários, decorrem em três anos - 10º, 11º e 12º - e funcionam em regime de frequência diurna e nocturna. Estão orientados numa dupla perspectiva: o prosseguimentos de estudos em cursos de especialização tecnológica ou de ensino superior (universitário ou politécnico) e a inserção no mundo do trabalho.

Os saberes e as aprendizagens dos alunos são orientados por uma equipa de professores com formação e preparação pedagógica específica na área das artes e por docentes de técnicas especiais nas diversas áreas tecnológicas que constituem um valioso património para a qualidade de ensino da Soares dos Reis.

Cronologia

1884
Criação oficial da Escola.

1885
12 de Janeiro, início das actividades escolares.

1887
1 de Outubro, lançamento da 1ª pedra do futuro edifício escolar no Bonfim, cerimónia a que esteve presente o rei D. Luís. (O edifício depois de construído veio a ter fins diferentes: instalação do Asilo das Raparigas Abandonadas.)

1988
Criação da Escola Industrial Faria Guimarães, a qual haveria de incorporar a aula de Desenho Industrial «Faria Guimarães», existente desde o ano lectivo de 1884-85. (Legislação de Emídio Navarro de 13 de Junho.)

1917
A Escola recebe uma acção de despejo devido à venda do edifício que servia de instalações escolares para criação de uma «indústria» de cerveja e refrigerantes.

1919
Formação do curso diurno preliminar que é extinto em 1930.

1920
Formação dos cursos específicos em regime diurno só para alunos do sexo masculino (cinzelador, marceneiro, gravador em aço, ourives, entalhador, pintor-decorador, tecelão-debuxador.)

1920
O Ministério da Instrução Pública autoriza a utilização das velhas instalações do Liceu Alexandre Herculano, situadas na Rua de Santo Ildefonso nº 422, pois o liceu tinha-se mudado para instalações novas.

1922
Mudança da escola Faria Guimarães para o velho casarão da Rua de Santo Ildefonso nº 422.

1925
Formação de cursos específicos: lavores femininos (só para alunos do sexo feminino), costureira de roupa-branca, bordadeira-rendeira, modista de chapéus e de vestidos.

1927
Autorização da compra das instalações da velha fábrica de chapéus, situada na Rua da Firmeza nº 49 e pertença da extinta Sociedade Indústria Firmeza.

1928
Inauguração oficial do edifício da Escola. (A velha fábrica de chapéus tranforma-se numa escola de artes.)

1931
Formação do curso de habilitação a Belas-Artes.

1948
Publicação do Estatuto do Ensino Técnico Profissional. Início de cursos específicos de índole artística: pintura decorativa, escultura decorativa, mobiliário artístico, cinzelador, gravador de cobre, bronze e aço.

1955
Inauguração das novas instalações da Escola (27 anos após a aquisição da velha fábrica de chapéus). Ao fim de 70 anos, a Escola consegue instalções condignas.

1985
Centenário da Escola Soares dos Reis.

2003
Inauguração do site Internet oficial da Escola.

Caracterização Orgânica
Direção
DiretorJosé Caldas
Vice-diretorJorge Delmar
AdjuntaMariana Rego
Conselho Geral
PresidenteCláudia Tomás
Representantes do Pessoal DocenteAna Andrade
Cláudia Tomás
Cristina Landeiro
Felisbela Antunes
Margarida Mouta
Rosário Tudela
Representantes do Pessoal Não-docenteCelina Ferreira
Manuela Avelino
Representantes da Comunidade LocalAriana Cosme
Tiago Assis
Representantes do MunicípioAna Moura
Hugo Pinho
Representantes dos Pais e Encarregados de EducaçãoJorge Sá Pinto
Madalena Lopes
Nélia Martins
Representantes dos AlunosCarlota Portela
João Coelho
Conselho Pedagógico
Pedro Amaral
Filipe Duarte
Artur Gonçalves
Nuno Lacerda
Helena Pacheco
Idalinda Fitas
Isabel Padrão
Maria Beleza
Flobela Gomes
Ricardo Ferreira
Teresa Silva
Leonor Soares
Duarte Costa
Delfim Pereira
Conselho Administrativo
PresidenteJosé Caldas
Vice-presidenteJorge Delmar
SecretáriaAna Costa
Bibliotecária
Idalinda Fitas
Coordenação de Departamento
Ciências Sociais e HumanasNuno Lacerda
Ciências ExatasMaria Beleza
ExpressõesIsabel Padrão
LínguasFlorbela Gomes
Projeto 10º AnoHelena Pacheco
Comunicação AudiovisualPedro Amaral
Design de ComunicaçãoFilipe Duarte
Design de ProdutoArtur Gonçalves
Produção ArtísticaCristina Manhente
Coordenador da Equipa PTE
Fernando Leal
Plano de Emergência
José Guimarães
Grupo de Saúde
Víctor Sousa
Desporto Escolar
Cristina Melo
Coordenador dos Diretores de Turma
Delfim Pereira
Representante dos Cursos Profissionais
Ricardo Ferreira
Associação de Pais
Presidente da Assembleia GeralJorge Humberto Sá Pinto
Presidente do Conselho ExecutivoNélia Fátima Lima da Costa Martins
Presidente do Conselho FiscalMaria Alexandra Almeida Pereira Regadas Rebelo
Associação de Estudantes
PresidenteLeonor Carneiro
Vice-presidenteJoão Cerejo
pdf
Regulamento Interno
xxx
pdf
Projeto Educativo
xxx

A História em Fotografias

Instalações e Oficinas